sexta-feira, 12 de fevereiro de 2010

Crítica #32


LA DAMA Y LA MUERTE é uma curta-metragem de pouco mais de 8 minutos, com uma estética e uma história bastante interessantes. Uma senhora idosa prepara-se para dormir, sempre agarrada à fotografia do falecido marido, com a esperança de ir ter com ele em breve. Enquanto dorme, sente-se a sair do seu próprio corpo e repara que, de facto, está morta. Feliz por ter chegado a sua hora, a senhora vai ter com a Morte, que está nesse momento no seu quarto. Quando se prepara para entrar no além, sente-se a voltar à vida. É que nesse momento, no hospital, um médico teima em ressuscitá-la. Mas a Morte não fica nada contente com o facto de perder uma alma, entrando, literalmente, numa luta com o médico, que é ajudado por quatro teimosas enfermeiras. O médico faz de tudo para a ressuscitar, a morte faz de tudo para a levar. O resultado é um filme com um ritmo frenético e absolutamente hilariante. Está também nomeado para o Óscar de Melhor Curta-Metragem Animada e, sinceramente, gostei mais deste do que de LOGORAMA. Resta-me ver os outros 3 nomeados.

0 comentários: